Ir para o conteúdo

Casa de Oswaldo Cruz lamenta o falecimento de Licia Valladares

29/11/2021


    Licia Valladares
    Licia Valladares. Foto: Roberto Jesus Oscar.
 

Neste momento, a Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) se une ao pesar de familiares, amigos e colegas pelo falecimento da professora Licia do Prado Valladares, prestando uma singela homenagem que expõe sua grande contribuição ao patrimônio cultural e às pesquisas desenvolvidas na unidade. A socióloga produziu uma obra de referência para a sociologia urbana e, em especial, para o estudo das favelas no Rio de Janeiro.

A primeira vez que a COC pode contar com sua inestimável contribuição foi no início dos anos 2000. Sua atuação teve como resultado a doação, à instituição, do arquivo do médico Victor Tavares de Moura (1892-1960), considerado o criador dos Parques Proletários do Rio de Janeiro nos anos 1940. Por meio do contato com a filha de Victor Tavares, Maria Celi Tavares de Moura, esse importante acervo pode ser aberto ao público em 2002.

Em 2007, participou do processo de doação do conjunto documental composto pelo arquivo do antropólogo estadunidense Anthony Leeds (1925-1989), e da coleção da socióloga Elizabeth Leeds, que tanto contribuíram para os estudos sobre sociologia e antropologia urbanas no Brasil. A chegada desse acervo proporcionou a elaboração do projeto de pesquisa intitulado História das Favelas e da Sociologia do Brasil Urbano: contribuições ao seu estudo a partir da análise da trajetória de Anthony Leeds, coordenado por Nísia Trindade Lima, no qual a professora Licia atuou como pesquisadora.

Durante boa parte dos anos 2010, Licia dividiu sua atuação profissional entre Brasil e França, principalmente no Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Iesp/Uerj) e na Universidade de Lille (França), em sua unidade de pesquisa, Sciences et Technologie.

Nesse período, também intensificou sua cooperação com a Casa de Oswaldo Cruz. Em 2014, uma nova remessa do arquivo de Anthony Leeds, dessa vez composta por fotografias das favelas cariocas entre as décadas de 1960 e 1980, estimulou um novo projeto de pesquisa, intitulado O Rio que se queria negar: as favelas do Rio de Janeiro no acervo de Anthony Leeds, mais uma vez coordenado por Nísia Trindade Lima, e do qual Licia Valladares participou intensamente.

Esse projeto deu origem a diversos eventos que marcaram a presença da Fiocruz na comemoração dos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro: uma exposição e um seminário que pretendiam discutir a presença das favelas e comparar a percepção atual com o que ocorreu há 50 anos, além do relançamento do livro A Sociologia do Brasil Urbano, de Anthony e Elizabeth Leeds, cuja primeira edição datava de 1978. No seminário, a professora Licia proferiu a palestra intitulada Razões do esquecimento: Anthony Leeds e as favelas do Rio de Janeiro.

Já em 2018, Licia Valladares pode contribuir mais uma vez com a valorização do patrimônio arquivístico da Fiocruz, sob a guarda da Casa, participando da doação dos arquivos de dois grandes sociólogos brasileiros: Carlos Alberto Medina e José Arthur Rios, atualmente em fase de organização no Departamento de Arquivo e Documentação da unidade.


Compartilhe

Facebook Twitter Whatsapp E-mail Imprimir

Compartilhe

Facebook Twitter Whatsapp E-mail Imprimir