Ir para o conteúdo

Encontro às Quintas: A cruzada contra o álcool nos Estados Unidos dos séculos 19 e 20

2015-07-03

No início do século 20, a figura de uma senhora alta, trajando um longo vestido preto, com um grande laço branco no pescoço e uma machadinha em punhos era temida em bares e tavernas do Meio-Oeste dos Estados Unidos. As incursões de Carrie A. Nation em uma série de estabelecimentos para destruir barris de bebidas alcoólicas foram expressão de uma ala radical do chamado movimento pela temperança. Sua atuação precedeu o período da Proibição, em que a venda, produção, importação e o transporte de bebidas alcoólicas foram banidos no país. À época, a cruzada empreendida por Carrie rendeu um trocadilho: Carry A. Nation for Prohibition, que pode ser traduzido como “leve uma nação à proibição”.

Instituída pela 18ª Emenda à constituição norte-americana, a proibição do álcool nos Estados Unidos, que vigorou entre 1920 e 1933, foi tema da apresentação do pesquisador Henrique Soares Carneiro, do Departamento de História da Universidade de São Paulo (USP), no Encontro às Quintas. Foco de numerosos estudos desde a sua instituição, a Proibição dividiu historiadores, que abordaram esse período a partir de perspectivas diversas.

De um lado, uma das visões admita o pressuposto da Proibição, de que havia um grande problema social - o alcoolismo de massas -, que precisava ser combatido por medidas de proteção da própria sociedade. De outro ângulo, o proibicionismo é analisado como um meio de controle social. “Setores específicos da sociedade estadunidense, da velha classe média rural ligada aos valores wasp [Branco, Anglo-Saxão e Protestante, no acrônimo em inglês] buscaram proibir os hábitos e valores ligados a outras camadas mais urbanas, proletárias e de classes altas, e de católicos, judeus ou laicos”, afirmou Carneiro.

De acordo com o ele, o paradigma biomédico dominante condicionou boa parte dos estudos sobre o álcool, encarando-o de forma reducionista, quase sempre o associando a uma patologia, sem dar atenção a o quadro histórico e cultural. “Como uma ortodoxia fora do tempo, essa visão medicalizante foi questionada pelos estudos com perspectiva mais histórica e antropológica”, disse o pesquisador.

A Proibição resultou de um longo processo de pressões e lutas sociais que começou no início do 19, cuja maior vitória se deu apenas cem anos depois, com a aprovação da 18º emenda, que ficou conhecida como Lei Seca. Em 27 de outubro de 1919, a Lei de Proibição Nacional foi aprovada pelo Congresso e entrou em vigor à meia noite do dia 16 de janeiro de 1920. Embora banisse a fabricação, a distribuição e venda de todas as bebidas, a lei não proibia o consumo, e mantinha permitida a produção de álcool para fins industriais e usos religiosos.

Antes mesmo da aprovação dessa lei nacional, no entanto, diversas iniciativas estaduais e municipais já colocavam o álcool na ilegalidade nos Estados Unidos. Segundo Carneiro, em 1860, 29 estados eram dry (secos, em inglês, termo usado para se referir aos locais em que a proibição era vigente) e 13 wet (molhados, onde o álcool não era proibido). Conhecido como Movimento pela Temperança, o movimento que defendia a moderação do consumo do álcool, radicalizou-se no fim do século 19 e adquiriu caráter proibicionista ao defender que se vedasse o acesso ao álcool a toda a população por meio de uma lei federal.

A influência do evagelicalismo

Questões religiosas também estiveram por trás desses movimentos, explicou Carneiro. Embora nem o cristianismo original, nem o protestantismo tradicional luterano e calvinista tenham incorporado a recusa ao consumo do álcool, os Estados Unidos viu emergir nos séculos 18 e 19 correntes evangélicas conhecidas como Second Awakening (Segundo Despertar, em inglês). Tais grupos primavam pela recusa ao pecado por meio de um comportamento exemplar, passando a noção de abstinência a imperar de forma cada vez mais abrangente.

”O movimento pela abstinência nasceu numa vertente do neoprotestantismo britânico e estadunidense chamado de evangelicalismo”, explicou Carneiro. “A Igreja Metodista vai se tornar o emblema de um severo rigorismo moral e de uma atitude puritana ascética, conquistando grande influência na Inglaterra e nos Estados Unidos, onde contribuiu para uma atitude fortemente antialcoólica”, declarou.

Nesse período, constituíram-se as associações defensoras da temperança, como a American Temperance Society, fundada em Boston em 1826. Diversos ramos evangélicos, como presbiterianos, metodistas, batistas, episcopais e congregacionalistas, aderiram à causa da abstinência. De 1829 a 1834, o número de membros da Sociedade pela Temperança cresceu de 100 mil para 1 milhão, apontou o pesquisador.

Esse processo se deu em meio a uma enorme transformação. “A deposição do antigo poder colonial, as novas camadas sociais emergentes e a construção de um novo país foram elementos de crise que levaram a uma atitude mais excessiva em diversos hábitos, inclusive o de beber, assim como à corrosão das fontes da autoridade tradicional”, disse Carneiro.

Médicos também foram referência para a Proibição

Em outra frente, os movimentos pela temperança fizeram do médico Benjamin Rush uma de suas referências. Representativo de uma nova atitude da medicina em relação ao controle dos hábitos da população, ele denunciava as bebidas destiladas, embora aceitasse as fermentadas. “A defesa da abstinência teve diversas vertentes constitutivas. Ancorou-se tanto na condenação religiosa moral do pecado, como no diagnóstico médico da bebida como fonte de todos os males”, declarou o palestrante.

Durante os 13 anos de vigência da Proibição, não se conseguiu deslegitimar culturalmente a prática de beber entre as camadas urbanas habituadas à tradição alcoólica. Nesse período, o comércio não deixou de existir, mas se submeteu à clandestinidade. A repressão, embora existente, não foi tão severa. Segundo Carneiro, estabeleceu-se uma situação que pode ser caracterizada como uma evasão padronizada de normas. “Para se reprimir a fundo, seria necessário fazer um Estado totalitário [...] Aprovava-se a lei para inglês ver, algo semelhante ao que acontece à guerra às drogas contemporânea”, concluiu.

A Lei Seca acabou após a quebra da Bolsa de Valores de Nova York em 1929. Com a depressão econômica, até mesmo grupos industriais poderosos, que eram proibicionistas, como Rockefeller, juntaram-se à pressão social urbana e dos sindicatos, que exigiam a legalização. Nas eleições de 1932, o partido democrata alçou Franklin Delano Roosevelt à presidência, inaugurando a era do New Deal. Revogada pela 21ª emenda constitucional, a Proibição deu lugar ao período conhecido como Repeal (revogação, em inglês). 


Compartilhe

Facebook Twitter Google Plus E-mail Imprimir

Compartilhe

Facebook Twitter Google Plus E-mail Imprimir